quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Coitadinho do meu blog... nos últimos tempos só leva com comidas de bebe!

Ora vamos lá ver o que se tem passado:

- Trabalho, muito trabalho e cada vez mais trabalho! Tanto que houve dias em que não consegui fazer a minha prática pessoal e ficaram-me a doer as cervicais; já retomei a normalidade, espero eu!
- David - dorme noites inteiras, mas acorda cedo... por volta das 7h. Continuo a ir para a cama muito tarde (23h30 - 24h). Tenho definitivamente que me deitar mais cedo. Mas sabem bem aqueles momentos em que a cria está alimentada, lambida e posta a dormir...
- Tivemos cá 2 pestes enquanto o meu irmão foi de lua-de-mel! Enquanto suas excelências faziam praia em Cancun, nós aturamos birras, vómitos, narizes que pingam, outros que sangraram, mas também fomos brindados com muitos mimos e daqueles mesmo verdadeiros, inocentes...!
- Atinei com a organização da casa. Ainda estou à espera do meu livro GTD para implementar a organização no resto da minha vida...

E mais não digo...
Brindo-vos com esta pérola do nosso Gato Fedorento, sobre um assunto que aparentemente já ninguém liga nenhuma:

"A banca nacionalizou o Governo

Quando, no passado domingo, o Ministério das Finanças anunciou que o Governo vai prestar uma garantia de 20 mil milhões de euros aos bancos até ao fim do ano, respirei de alívio. Em tempos de gravíssima crise mundial, devemos ajudar quem mais precisa. E se há alguém que precisa de ajuda são os banqueiros. De acordo com notícias de Agosto deste ano, Portugal foi o país da Zona Euro em que as margens de lucro dos bancos mais aumentaram desde o início da crise. Segundo notícias de Agosto de 2007, os lucros dos quatro maiores bancos privados atingiram 1,137 mil milhões de euros, só no primeiro semestre desse ano, o que representava um aumento de 23% relativamente aos lucros dos mesmos bancos em igual período do ano anterior. Como é que esta gente estava a conseguir fazer face à crise sem a ajuda do Estado é, para mim, um mistério.
A partir de agora, porém, o Governo disponibiliza aos bancos dinheiro dos nossos impostos. Significa isto que eu, como contribuinte, sou fiador do banco que é meu credor. Financio o banco que me financia a mim. Não sei se o leitor está a conseguir captar toda a profundidade deste raciocínio. Eu consegui, mas tive de pensar muito e fiquei com dor de cabeça. Ou muito me engano ou o que se passa é o seguinte: os contribuintes emprestam o seu dinheiro aos bancos sem cobrar nada, e depois os bancos emprestam o mesmo dinheiro aos contribuintes, mas cobrando simpáticas taxas de juro. A troco de apenas algum dinheiro, os bancos emprestam-nos o nosso próprio dinheiro para que possamos fazer com ele o que quisermos. A nobreza desta atitude dos bancos deve ser sublinhada.
Tendo em conta que, depois de anos de lucros colossais, a banca precisa de ajuda, há quem receie que os bancos voltem a não saber gerir este dinheiro garantido pelo Estado. Mas eu sei que as instituições bancárias aprenderam a sua lição e vão aplicar ajuizadamente a ajuda do Governo. Tenho a certeza de que os bancos vão usar pelo menos parte desse dinheiro para devolver aos clientes aqueles arredondamentos que foram fazendo indevidamente no crédito à habitação, por exemplo, e que ascendem a vários milhares de euros no final de cada empréstimo. Essa será, sem dúvida nenhuma, uma prioridade. Vivemos tempos difíceis, e julgo que todos, sem excepção, temos de dar as mãos. Por mim, dou as mãos aos bancos. Assim que eles tirarem as mãos do meu bolso, dou mesmo." Ricardo A Pereira

2 comentários:

María e Pestilecas disse...

Parabéns pelos 5 mesinhos do David!

Bjnhos grandes

Cristiana disse...

Eu gosto das receitas, principalmente porque ainda anão comecei com elas cá em casa e quando chegar a minha vez já tenho o calendário feito!! hihihihiihiih
Não te disse no outro lado(PB) mas : EHHHHH GRANDE MULHER!!!!ÉS "BALENTE"... Quem me dera ser metade organizada do que tu és...

beijocas