sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Há uns anos (3), tive de fazer um trabalho sobre um livro da Geeta Iyengar que se chama "Yoga: A Gem For Women".

Neste últimos dias, há uma passagem que não me saí da cabeça, em que ela diz mais ou menos o seguinte:

'Nos nossos dias, o homem atingiu novos patamares. Há modos cada vez mais rápidos de viajar, continentes podem ser alcançados no espaço de poucas horas - o mundo 'encolheu'. O homem aterrou na lua e agora quer conquistar outros planetas. Experiências atrevidas como transplantes de coração foram feitas com sucesso e através dos bebes-proveta, o homem compete com o Criador.
Foi inventado todo o tipo de aparelho para reduzir o trabalho do homem ao mínimo, temos todo o tipo de desenvolvimento tecnológico na mão. No entanto, perdemos um dos nossos direitos que vem de nascença, o mais natural de todos - o sono! A insónia parece ser uma praga na nossa civilização. Existe um número infinito de comprimidos para dormir e tranquilizantes no mercado. O sono induzido por comprimidos não é um sono natural. O sono natural ocorre num corpo e mente tranquilos e deixa-nos prontos para enfrentarmos os problemas do dia-a-dia.
A importância do sono foi descrita por Vãgbhata, que diz o seguinte: Do sono depende a felicidade e a dor, a gordura e a magreza, a força e a fraqueza, potencia e impotência, o conhecimento e a ignorância, a vida e a morte.
Um sono bom e sem perturbações é um 'life-giver'. A mente consciente deixa de funcionar por algumas horas, recarregando energias para o dia seguinte. O sistema nervoso descansa e acordamos frescos na manhã seguinte. Pode a vida ser feliz e progredir se perdemos esta função natural - sono?'


Ora porque é que esta passagem não me sai da cabeça?? Alguém adivinha?

Primeiro porque estava habituada a dormir 9-10 horas por dia. Sono bom, às vezes muito leve, mas bom - e tudo o resto andava equilibrado. O David 'dá boas noites' como as mães costumam dizer, e normalmente acorda só uma vez, por volta das 4h30 da manhã. Demoramos (eu e ele, que o pai dorme ferrado) cerca de 1 hora a voltar a dormir. Não posso dizer que não me custe levantar e estar acordada enquanto ele mama, mas não é nada de mais. No entanto, só esta ligeira interrupção, provoca alterações radicais no meu feitio (mau, dizem alguns...):
- Paciência - pouca para os outros, toda para o meu piolho;
- Memória - nicles... zero virgula zero
- Sentido de humor - de cão, a não ser quando o David sorri
- Organização - pouca - a necessária para que não lhe falte nada de essencial (é difícil, sem memória...)
- Persistência - (entenda-se paciência para fazer coisas que não me apetecem) - menos do que o normal (o que é muito mau!!)

Depois porque vejo o sono do David e que bom que é! Quando ele dorme sossegado, tenho a certeza de que está bem de saúde, está feliz, gordo, forte, potente, esperto, enfim, muito vivo! Assim queria Vãgbhata...

PS1: Entenda-se que não sofro de insónias, nem nunca tomei nada para dormir ..
PS2: Será que alguma mãe volta a dormir descansada, mesmo quando eles dormem a noite toda?

1 comentário:

luuuu disse...

Não faço a mínima mas cheira-me que ter filhos é como arranjar permanentemente sarna para coçar.

Andas assim? Não dei conta. Até pareces mais soft... eheh